A expectativa pelas revisões com preço fixo

Na iminência de deixar meu carro na concessionária para a sua 1ª revisão obrigatória (10.000 km), resolvi entrar em contato com a Kia através do site para questioná-los sobre algo que normalmente gera certa desconfiança de possíveis consumidores em relação à aquisição de um veículo importado: por que a marca não passa a praticar preços fixos para as suas revisões? Eis o e-mail que enviei:
“Prezados,
Desde dezembro, sou proprietário de um Cerato 2010 (versão E.201) e estou extremamente satisfeito com o que o carro me oferece em termos de conforto, segurança, design e economia de combustível. A prova disso é que criei um blog (http://novocerato.blogspot.com) especialmente para relatar a convivência diária com o carro, ajudando outros proprietários e/ou interessados pelo veículo.
Uma das coisas que sinto falta, no entanto, é de uma polítia da KIA para revisões tabeladas. Enquanto algumas concessionárias cobrarm, por exemplo, mais de R$ 500 por uma simples revisão de 10.000 km, outras sequer chegam aos R$ 300. Já existe alguma intenção de por em prática estas tabelas? Esta certamente é uma das boas maneiras de conquistar consumidores indecisos, reforçando a confiança da KIA no mercado brasileiro e garantindo a confiabilidade necessária para se estabelecer ainda mais forte no país.
Abraços,
Thiago Parísio”
Hoje à tarde, surpreso com a rapidez, recebi o retorno da Kia:
“Boa tarde!Prezado Sr. Thiago, agradecemos pelo envio do e-mail e informamos que é uma satisfação tê-lo como cliente.Pela Legislação Brasileira, através da lei Ferrari, a Kia Motors não pode interferir nos valores de mão de obra de lubrificantes praticados pelas concessionárias, somente estabelecemos o tempo necessário para revisões periódicas. Atenciosamente.Serviço de Atendimento ao Cliente
Kia Motors do Brasil”
Como eu nunca havia ouvido falar desta Lei Ferrari, resolvi pesquisar e descobri que a Lei Nº 6.729, de 28 de novembro de 1979 e sancionada pelo então presidente João Figueiredo, dispõe sobre a concessão comercial entre produtores e distribuidores de veículos automotores de via terrestre. Eis o trecho da Lei que poderia justificar a resposta da marca:
“Art . 16. A concessão compreende ainda o resguardo de integridade da marca e dos interesses coletivos do concedente e da rede de distribuição, ficando vedadas:
I – prática de atos pelos quais o concedente vincule o concessionário a condições de subordinação econômica, jurídica ou administrativa ou estabeleça interferência na gestão de seus negócios;
II – exigência entre concedente e concessionário de obrigação que não tenha sido constituída por escrito ou de garantias acima do valor e duração das obrigações contraídas;
III – diferenciação de tratamento entre concedente e concessionário quanto a encargos financeiros e quanto a prazo de obrigações que se possam equiparar.”

O Artigo 19, no entanto, informa que alguns pontos da relação entre concedente e concessionário podem ser estabelecidos através de convenções:

“Art . 19. Celebrar-se-ão convenções da marca para estabelecer normas e procedimentos relativos a:
I – atendimento de veículos automotores em garantia ou revisão (art. 3º, inciso II);
II – uso gratuito da marca do concedente (art. 3º, inciso IlI);
III – inclusão na concessão de produtos lançados na sua vigência e modalidades auxiliares de venda (art. 3º § 2º, alínea a ; § 3º);

…”
 

A resposta da Kia, portanto, não pode e nem deve ser considerada como definitiva. Senão, como a Nissan, por exemplo, comercializando veículos importados no país, consegue praticar preços tabelados para as revisões de carros como o Sentra e o Tiida? E o que dizer dos preços tabelados há anos pela Renault? E Peugeot e Citroën, que passaram a trabalhar da mesma forma?
 
Cabe a nós, proprietários e demais interessados, entrarmos em contato maciçamente com a marca e cobrarmos um posicionamento mais efetivo em relação a este ponto. A Kia deve saber que o aumento de participação de mercado pode ser conseguido de várias formas. Estabelecer preços fixos para as revisões que tanto costumam assustar os interessados pela marca certamente é uma das melhores possíveis.

Afinal, nada mais satisfatório para um dono de Cerato do que não ter qualquer surpresa na hora de pagar a fatura por uma revisão obrigatória que mantenha em dia a garantia de 05 anos.

 
Abraços!
P.S. 1: 
1. Agendei a 1ª revisão para amanhã (01/07). Assim que voltar, relato a experiência;
2. Para acessar o texto completo da lei Ferrari, clique aqui.

P.S.2: Eis o e-mail que acabo de enviar para a Kia em resposta ao atendimento inicial:

“Prezados,
Obrigado pela agilidade na resposta, mas não compreendo esta impossibilidade de adoção de política de revisões tabeladas. Consultando a lei nº 6.729/79, descobri o artigo 19 que trata de convenções de marca para estabelecimento de normas e procedimentos entre concedente e concessionário:

Art . 19. Celebrar-se-ão convenções da marca para estabelecer normas e procedimentos relativos a:

I – atendimento de veículos automotores em garantia ou revisão (art. 3º, inciso II);
II – uso gratuito da marca do concedente (art. 3º, inciso IlI);
III – inclusão na concessão de produtos lançados na sua vigência e modalidades auxiliares de venda (art. 3º § 2º, alínea a ; § 3º);
Por este artigo, parece claro de que este tipo de política pode ser definida pela própria marca em conformidada com suas representantes. Afinal, se diversas marcas presentes no mercado brasileiro – inclusive importadoras – podem utilizar revisões com preços fixos, qual é a justificativa prática para que a Kia não passe a utilizar esta mesma forma de trabalho?

Esta é certamente uma das formas mais eficientes de superar a resistência de consumidores a carros importados e de conseguir ampliar a participação de mercado.

Espero, sinceramente, que a Kia possa rever este posicionamento. Este fator poderá ser um grande diferencial entre continuar ou não com um carro da marca no futuro.

No aguardo,

Thiago Parísio”

4 pensou em “A expectativa pelas revisões com preço fixo

  1. Pé de Vela SJC

    Senhores(as), Aproveitando a situação, acho que deveriamos fazer uma pressazinha na Kia, para que o CErato venha com o cabo para IPOD, pois o Kia Soul que é mais barato já vem com esse cabo, e olhano na internet esse cabo custa mais de R$ 100 um absurdo um carro que pode passar dos 60 mil não vir com esse cabo, eu já enviei meu email de reclamação, acredito que se muitos fizerem o mesmo eles podem mudar de ideia.

    Grato.

    Responder
  2. Wendell

    Otima colocação caro Thiago, farei minha parte e entrarei em contato com a Kia a fim de cobrar o mesmo posicionamento. Cotei duas concess. Kias aqui de SP, e pra minha surpresa 800 reais. Depois dessa informação desisti do Lindo Cerato. Não acho certo pagar pela garantia. Na honda a revisao sai por 120,00 10mil, 140,00 20mil e assim por diante. Citroen sai por 3×120,00, o negocio é tabelar so assim compraremos sem nos sentir enganados. Vou tentar levar sua analise até o deputado Celso Russomano, quem sabe ele nao se interresa em definir claramente essa lei.

    Responder
  3. NOVO CERATO

    Wendell, estes valores estão absurdos. Na comunidade oficial do Cerato no Orkut, vários colegas que já realizaram a 1ª revisão não pagaram mais do que R$ 350,00 – isto falando de pessoas no Rio, em Salvador, em Recife, em Porto Alegre.

    Há algo errado com estes preços.

    Responder
  4. Antonio

    Ainda bem que o da Cerato esta barato, pois o do kia picanto eh um absurdo de caro.
    10000 Km paguei 793 reias.
    20000 Km estao falando em mais 850 reias.

    estou desistindo desse carro.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *